Suas aplicações são seguras?

Conheça a Conviso!

Aplicações mobile: por que devo me preocupar?

Os malwares e os ataques de usuários mal-intencionados que comprometem os dados dos dispositivos móveis desenvolveram-se quase na mesma proporção que a tecnologia. Em contrapartida, os desenvolvedores de softwares investem em novas soluções eficazes para o combate e o cerceamento da ação daqueles agentes.

Veja, neste post, os principais perigos a que as aplicações mobile estão sujeitas e as formas mais eficazes de combatê-los:

Os riscos que as aplicações mobile correm

Com a popularização das aplicações mobile, os hackers começaram a explorar amplamente as vulnerabilidades de sistemas como o iOS e o Android. No ano de 2015, os dispositivos móveis foram responsáveis por aproximadamente 18% dos ataques online.

Existem diferentes ameaças quando se fala sobre gadgets móveis. Sites de phishings (obtenção de dados pessoais) são usados para a captura de dados financeiros por meio da simulação de páginas conhecidas.

Existem também serviços de propaganda que podem linkar páginas por meio de certos scripts. Eles modificam o DNS do aparelho, direcionando as tentativas de acesso à internet para um site fraudulento, que tem como objetivo roubar as informações do usuário.

Há ainda aplicações mobile que efetuam mais atividades além das funções mais importantes. Certos jogos ou apps podem coletar dados de localização do usuário, enviar spam via SMS ou e-mail, servir de hub (interligação) entre redes de dispositivos fantasmas, compartilhando a conexão de dados.

Em empresas, um aparelho contaminado pode dar acesso a toda a rede corporativa e infectar os servidores, possibilitando aos hackers roubar dados sigilosos.

As melhores estratégias para otimizar a segurança ao usar aplicações mobile

Podemos citar algumas estratégias de segurança para o usuário de aplicações mobile:

  • só instale aplicativos das lojas autorizadas;

  • use apps de segurança, como antivírus e antimalwares;

  • informe-se sempre sobre a política de privacidade do desenvolvedor do aplicativo, antes de instalá-lo;

  • não permita que o aplicativo acesse recursos que você não usa;

  • mantenha os aplicativos sempre atualizados e observe quais são as novas requisições feitas durante as atualizações;

  • use, sempre que possível, as opções de segurança dos aplicativos, como senhas, criptografia e backups;

  • evite baixar arquivos suspeitos e clicar em links de fontes duvidosas;

  • não guarde no aparelho dados muito importantes, como senhas e informações financeiras;

  • antes de passar o aparelho para outra pessoa, elimine os dados mais importantes.

Os melhores testes e análises para otimizar a segurança das aplicações mobile

Para realizar um contra-ataque à altura e formar um sistema defensivo eficiente, os gestores de TI precisam considerar importantes fatores:

A análise de inteligência

É necessário reunir o maior número possível de informações sobre a aplicação. A apreciação do ambiente concentra-se no estudo da empresa que desenvolveu o software, avaliar seus processos e suas estruturas internas.

A análise de arquitetura estuda a estrutura da própria aplicação mobile: a interface de rede; os dados usados; o gerenciamento de sessões; a comunicação com outros recursos; o ambiente em que o aplicativo é ou será executado (versão do sistema operacional); os serviços de base de dados, servidor e firewall (solução de segurança digital).

A modelagem de ameaças

A partir da análise de inteligência, é possível modelar ameaças para confirmar a segurança das aplicações mobile.

Assim, poderão ser identificados deslizes, calculados os riscos e desenvolvidos procedimentos de defesa.

A análise das vulnerabilidades

Trata-se da execução de uma rotina de testes para avaliar a segurança das aplicações mobile. Os métodos podem ser:

  • estáticos: por meio de engenharia reversa (o estudo dos princípios de funcionamento de um dispositivo ou aplicativo) e verificação (automática ou mesmo manual) do código-fonte;

  • dinâmicos: realizados por meio de monitoramentos de rede, execução das aplicações mobile e alterações que ocorrem nos arquivos quando os aplicativos são executados;

  • forenses: baseados em técnicas de verificação das informações que são armazenadas nas aplicações mobile durante a sua execução (como os arquivos que são alterados e as credenciais que são salvas).

E você, já efetua esses procedimentos nas aplicações mobile utilizadas em seu setor de TI e em seus dispositivos pessoais? Se você quiser ampliar ainda mais sua segurança, veja 5 falhas comuns na proteção de sistemas de TI e as corrija o quanto antes.

Tags

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

topo